O PODER DO COMPARTILHAR INFORMAÇÕES

Olá pessoal!

Um dos princípios que norteiam o nosso método de consultoria para Gestão de Equipes para Alta Performance é que “as pessoas não se comprometem com aquilo que não entendem”.

Então, aqui neste breve relato, vou compartilhar uma história que vivenciei:

Muitos anos atrás quando comecei a apoiar um operador de uma rede de postos de combustíveis, sugeri para ele que os gerentes das unidades de negócios deveriam ter acesso ao balanço de resultados das unidades, usando como argumento que assim eles compreenderiam quanto complexo é cuidar das finanças de um posto de combustível.

Esse cliente se assustou e me disse assim:

– Tá louco Luiz!!! Eles não podem saber quando o negócio me trás de resultado?!

Então sugerimos para ele fazer uma pesquisa entre os gerentes e uma das questões era estimar quando era a receita do posto, quanto era a despesa e quanto deixava de lucro ao final do mês.

Obtivemos vários tipos de respostas, porém a maioria foi que o lucro líquido,  o que o operado “colocava no bolso” ao final do mês era 4, 5 vezes mais do que a realidade.

E, a constatação de como chegaram nesses resultados, foi que pegavam o volume de venda em litros das unidades, multiplicavam pelo valor de vendas do produto com maior valor, no caso Gasolina e “obtinham” o faturamento bruto.

Depois estimavam despesas com salário médio, vezes o números de funcionários, imaginavam despesas com energia, aluguel (quando era o caso), entre outros “chutes”.

Ou seja, inconscientemente os gerentes estimavam sempre para o mais!

Quando analisamos estas informações e reforçamos que “as pessoas não se comprometem com o que entendem”, iniciamos um plano de compartilhar o orçamento de cada unidade com os gerentes.

Assim eles passaram a conhecer a realidade e se comprometerem com os resultados econômicos dos postos, sugerindo ações como: readequação das escalas de trabalho pra reduzir despesas com horas extras; regras de iluminação pra apagar luzes e desligar equipamentos em locais que não precisariam; campanhas de conscientização de uso de água; passaram a buscar empresas pra agregar volume de abastecimento nos postos; intensificar a gestão das vendas de produtos automotivos e na loja de conveniências; entre outros.

 É uma historia antiga que a realidade de hoje não permite mais uma gestão de não compartilhar com seus líderes as gestão financeira do negócio, mas ainda é um tabu em muitas empresas.

Precisando nos chamem!

Abraço e até a próxima.

Leia também o artigo do consultor Vinícius Nunes: A IMPORTÂNCIA DE DEFINIR METAS PODEROSAS E ASSERTIVAS

Luiz Nunes.
Diretor de Consultoria do Grupo Scalco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

: