O pedido de permissão para ganhar mais dinheiro

Produzi este artigo a partir de uma mentoria realizada com uma aluna nossa.

Mentoria é uma conversa, cujo objetivo é resolver alguma problemática, seja do âmbito pessoal ou profissional do indivíduo que buscou este serviço.

É pôr luz, dar consciência a algo que esteja prejudicando a qualidade de vida dessa pessoa. Possibilitando-a observar com a ajuda do mentor escolhido, como ele funciona, quais suas crenças e a ligação das mesmas com suas conexões familiares.

Ou seja, observa-se tudo o que conduz. E junto a isso, uma mentoria é um aconselhamento, um guiar com várias orientações para que assim, o mentorado possa, ao realizar estas ações, adquirir a vida que deseja, o seu vidão de verdade.  

A mentoria pode ser presencial ou online, individual ou em grupo.

E por curiosidade se diferencia da técnica de coaching, pois foca nas possibilidades e observa tanto o passado, quanto o presente e, de certa forma, visualiza o futuro. Além de possibilitar a pessoa a aprender e praticar a auto-observação e, com isso, ampliar sua visão e conhecimentos em relação a si mesmo e ao que o cerca.

O que é um mentor?

É um profissional experiente e capacitado que poderá auxiliar o seu cliente a realizar seus objetivos e assim, deixar sua vida mais leve. De preferência, deve ser alguém admirado por seu mentorado, seja por transmitir confiança, seja por seu caminhar pessoal, por sua excelência profissional ou experiência no ramo. Portanto, deverá possuir as características vistas como primordiais para a pessoa que está buscando este serviço.

Mentoria Leis da Vida com Marcel Scalcko

A ovelha negra da família.

Como toda a mentoria, começo sempre com o questionamento de qual problemática que o mentorado decidiu olhar neste momento de sua vida, para assim poder ajudá-lo com minhas orientações.

“Como posso ajudá-la a ter uma vida mais leve e realizadora a partir das leis da vida segundo Marcel Scalcko?”

Mentorada:

“Não consigo crescer profissionalmente. Chego até um certo ponto e travo. Tenho uma empresa com potencial de crescer, mas algo está me bloqueando. E observando isso, percebo que aconteceu o mesmo com minha paixão pela minha atividade de personal trainer. Não era uma coisa que me dava dinheiro, mas eu amava. Então, tive que decidir deixar este amor um pouco de lado porque não se vive só de amor. E foi assim que comecei com a minha marca, minha “pequena” empresa de roupas”

         Desta forma, inicia-se uma mentoria, uma conversa que, com minha experiência de vida e profissional, utilizo todas as ferramentas que possuo, através de anos de estudo. Escuto a demanda do mentorado e o ajudo a observar sua história de vida, orientando o melhor caminho a ser seguido.

         Neste caso, uma jovem mulher, solteira e sem filhos olhando para algo que estava a incomodando: sua área profissional. 

No decorrer da mentoria, dentre os vários questionamentos que fiz, perguntei: O que seu pai e sua mãe fizeram? No que trabalhavam? E mais, no que trabalhavam seus avós, tios e irmãos?

Sua resposta foi:

“Meu pai e muitos de meus tios, assim como meu avô, trabalharam como pedreiro a vida toda. Já minha mãe e minhas tias seguiram minha avó e foram donas de casa.”

 Logo, afirmei a ela: 

Você é amorosa demais! Não suporta ganhar mais dinheiro porque, no fundo da sua alma, seria uma traidora para todo o seu povo.

Big group hug

         Mentorada:

“Sim. Já sou vista como a ovelha negra da família”.

Marcel:

E você é a ovelha negra da sua família. Quando trabalhava como personal trainer e estava com a agenda cheia, não precisava ter montado esta empresa. Deveria apenas ter dobrado seus honorários. Depois, deveria ter montado o seu estúdio de atividade física e após, poderia dar aula na internet.

Mentorada:

“Até hoje várias pessoas me procuram para dar aula, mas acredito que seja apenas por minha aparência, pois como gosto de atividade física, pratico”.

Marcel: 

Não diga isso, não se desmereça. Sem se dar conta, você se desmerece o tempo todo. Diminuiu sua empresa e disse que só teve alunos por ser bonita. Não faça isso. Sei bem o que é isso, pois levei anos para parar de ter essa atitude. E mesmo agora, ocasionalmente, tem uma voz em minha mente que quer tirar o meu valor.

Não tire o seu valor.

Por amor, temos a necessidade de sermos parecidos com os nossos familiares, pois não é fácil ser a ovelha negra da família, é muito pesado.

Existe uma lei da vida chamada Vida é Conexão (LV7), que nos mostra, entre muitas coisas, que por amor temos a necessidade de sermos parecidos com os nossos. 

Logo que, quando somos parecidos com os nossos, temos certeza de que irão nos proteger como em um rebanho.

Porém, quando me torno muito diferente da minha família, surge uma voz no inconsciente que dá a sensação que irei perder esta proteção.

E então, alguns de nós conseguimos seguir e suportar o ônus de perder sua família, mas os mais amorosos não conseguem.

E não é um “cortar laços”, pois na vida só há prosperidade, amor, abundância, beleza, fartura, um homem ou uma mulher, crianças e um vidão de verdade.

Contudo, no profundo da alma, olhar para tudo isso dá muito medo e, assim, acabamos parando na vida.

Observe, a mentorada é tão amorosa que pensava primeiro nos clientes, por isso, não cobrava mais.

Além disso, suas ações estavam vinculadas com a realidade financeira de sua família, pessoas muito pobres.

Mentorada:

“Prefiro prejudicar a mim do que os outros”.

Marcel:

Desta forma não há possibilidade de prosperar.

Preferindo cobrar menos do que desconfortar seus clientes, prejudicando a si própria e não aos outros e parando na vida para não ficar distante dos seus parentes.  

Perceba que, até este momento, você estava desempenhando mal o papel de ovelha negra da família.

Estava sendo uma ovelha marronzinha.

Sheep in the mountains

E assim, sendo muito boazinha com os seus parentes, com os seus clientes e até mesmo com seus colaboradores.

Para voar alto temos que lembrar de uma frase, a qual espero que você nunca mais esqueça na sua vida: “Primeiro, eu.”

Sabe a sua família?

Essa família de trabalhadores da roça, pedreiros e donas de casa?

Eles tiveram esta vida dura para fazerem uma base, a partir da qual, você pudesse ir adiante.

E se, às vezes, parecem críticos com suas ações, não é porque não se importam com você, mas em alguma medida você mostra-lhes o quanto tiveram medo de serem eles a ovelha negra da família.

O melhor e mais bonito é que, a partir de você, se decidir realizar este movimento de seguir, se decidir ser a ovelha negra da família e ganhar mais dinheiro ,tornará a vida dos seus sobrinhos, primos e, principalmente, dos seus filhos, mais leve.

Assim, estarão livres para prosperar. E mesmo que por acaso este seja o seu papel, é duro, mas é o que precisa ser feito.

Agora se permita e faça o exercício que eu vou passar.

Imagine todo o seu povo. Trabalhadores segurando enxadas e colher de pedreiro e mulheres com aventais de cozinheiras.

Olhe para esses homens e mulheres e diga:

“Eu sinto muito que foi tão pesado para vocês. Sinto de verdade. Sinto tanto que só por isso eu ainda não voei mais alto. Dói-me vê-los onde vocês estão, mas agora estou percebendo que este é o destino de vocês e que estas são a suas vidas. Eu tenho a minha vida. Por favor, pai, mãe, meus avós e meus tios, me olhem com carinho. Olhem-me com bons olhos e me concedam suas bênçãos se eu fizer um pouquinho diferente de vocês, se eu prosperar mais que vocês, se eu ganhar muito mais dinheiro do que vocês.”

  Imagine e olhe para eles, bem pequena e peça: “Por favor, eu posso ganhar mais dinheiro que vocês?”

E assim você os enxerga, com a sua capacidade de imaginar e eles reagem e falam:

“Tem nossa permissão, está livre! A sua alegria será a nossa alegria. É um raio de luz na nossa família. A partir de você tudo será diferente. Nós não damos conta, mas você dá conta da luz, da prosperidade e da riqueza. Este é o seu destino.”

         Sinta todo esse amor e responda: “Eu estou livre! Eu sigo! Se não foi possível para vocês, para mim é.

Meus queridos, não terá sido em vão milhares de enxadadas na Terra, milhares de tijolos sentados e milhares de roupas lavadas. Eu vou fazer valer a pena. Eu vou fazer valer a pena tanto sacrifício. E quando eu estiver desfrutando de um vidão de verdade, vou me alegrar muito e vou dizer: Viram, meus queridos!? Deu certo! Eu sou o melhor de vocês. Não foi em vão. Eu fiz valer a pena!”

Lembrado que, para isso, terá que aprender a ser má. Terá que sujar as mãos.

E mais, saiba que amor enche barriga sim, mas tem que ser consorciado com negócio. 

Agora, não dá para ser só dinheiro e não dá para ser só amor.

Tem que ser amor e dinheiro, pois ao cuidar mais do seu negócio, irá gerar mais empregos. Com mais pessoas trabalhando, seus produtos vão chegar mais longe. Do contrário, se não priorizar o seu negócio para ficar cuidando dos interesses dos seus colaboradores, acabará prejudicando centenas de pessoas e beneficiando apenas quatro. Digo por experiência própria.

Primeiro a empresa, depois os colaboradores. Primeiro eu, depois os clientes.

Fique atenta e observe os seus sintomas, a sua tendência de se diminuir e de se apequenar por fidelidade aos que vieram antes. 

Deve ter outras questões também, mas você ainda não reconhece a sua luz e a sua força.

E eu sei o que estou falando. Essa é a vantagem de se ter um mentor, pois passei por muitas situações parecidas em minha vida.

Vou dar um exemplo em relação ao não se valorizar e ao não valorizar o que faz, o seu trabalho.

As pessoas me ligavam e pediam para falar comigo por 10 minutos. Eu concordava e, muitas vezes, ficava conversando por muito mais tempo.

Dava muitos conselhos e orientações. Um dia, participei de uma mentoria e resumindo, percebi que a pessoa fazia o mesmo que eu estava fazendo, porém cobrava por isso.

Percebendo isso, comecei a cobrar e, surpreendentemente, aumentaram as demandas e, juntamente a isso, o valor do serviço.

Concluindo: mesmo com o aumento de preço, os clientes só aumentaram. Passado um tempo, fui fazer uma mentoria, pois só um arrogante não tem um mentor e, para minha surpresa, ele me indicou a aumentar ainda mais o valor.

Estava perdendo de prosperar ainda mais, de ter o meu vidão e tudo isso porque não acreditava em mim. 

Priorize-se! Cuide da sua saúde, do seu negócio.

Leia também o artigo: VOCÊ SEGUE ESTAS LEIS DA VIDA? DESCUBRA!

Quem quiser, continuará com você e seguirá crescendo ao seu lado.

Forte e carinhoso abraço.

Sobre o autor:

Marcel Scalcko ajuda as pessoas a viverem mais leve e realizar muito. É mentor há 24 anos. Já treinou mais de 110.000 pessoas. Descreveu as 9 Leis da Vida. Há mais de 30 anos estuda com os melhores mentores e treinadores do Brasil, Alemanha e Estados Unidos.

  1. Andréa Rezende Taveira Freitas disse:

    Que maravilha!
    Linda mentoria!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

: