Filhos saíram de casa. E agora?

Já ficou com uma sensação de vazio por ver os filhos saindo de casa?

Ou, quem sabe, fica se perguntando como será quando eles seguirem as suas próprias vidas?



Nesse artigo, eu vou ajudá-lo a lidar com isso.

A minha reflexão aqui baseia-se em uma das obras de um grande mestre, chamado Bert Hellinger.

Então, vamos lá!

Tenha uma ótima leitura. Desfrute muito desse conteúdo!

Existe a ideia de “ninho vazio” que se refere ao momento da vida em que os filhos vão estudar fora, trabalhar, casam… quando é estabelecido uma espécie de vazio, desconforto, mal-estar, uma sensação de falta porque os filhos saíram de casa.

No entanto, ninho vazio contrária à natureza, não faz sentido aos olhos do que a natureza é: simples. 

Uma pomba, se os seus filhos não seguem a sua própria vida, derruba seus pombinhos do ninho. Confia nos cuidados que ela lhes deu. Entende que eles vão dar conta de voar, pois ela fez o que precisava ser feito.

No nosso caso, veria ser assim. 

Pois esse é o movimento natural da vida.

Mas nós mesmos resistimos.

Deixamos de ser fazê-lo não pela falta de confiança nos nossos filhos, mas, porque não estamos livres para permitir que eles sigam.

Não estamos totalmente confiantes naquilo que nós entregamos. Não temos a convicção de que a força e o combustível entregues são necessários para que as crianças possam ir.

Digo criança, pois aos nossos olhos eles são pequenos, mesmo adultos.

Enquanto adultos, vazios, seguramos a nossa cria.

Ficamos agarrados ao nosso fruto como se a nutrição, alegria, preenchimento viesse do fruto.

Mas sabemos de onde tudo isso vem: das nossas raízes. As nossas raízes são os nossos pais. É neles que devemos buscar nos preencher. Não nos nossos filhos.

Deveríamos olhar com alegria para as escolhas dos nossos filhos: estudar no exterior, casar-se cedo, trabalhar ao invés de estudar… Mas nos agarramos na fruta porque não nos dispomos a receber da raiz. 

Uma mãe ou pai sentem a síndrome do ninho vazio porque enquanto as crianças estavam no ninho, se abasteciam do amor dos filhos, pedindo sustento, cuidados, presença, conselhos, beijos, abraços.

São pais que não estão nutridos, preenchidos, conectados com as suas raízes (seus pais). Na vida desses pais o fluxo do amor foi interrompido.

Essa interrupção faz surgir um sintoma: o vazio. Mas o vazio nunca está fora. Ele está dentro porque nada nem ninguém consegue despertar o que já está em nós.  Então quando os filhos alçam voo, despertam o vazio que já está nos seus pais. 

Os pais que não soltam já estavam no vazio.

O vazio não foi criado pelos filhos.

Até porque os pais não nascem com seus filhos. Os filhos vêm após terem vivido 20, 25, 30 anos.

Parents and children having fun at the beach

Toda saudade que procuramos suprir com os filhos é, na verdade, a saudade que sentimos dos nossos pais.

Não é possível dizer que não temos tempo para mais nada, que só cuidamos dos filhos, pois não somos apenas pai ou mãe. Temos outras necessidades, anseios.

Existe uma vida para ser vivida: um casamento, uma carreira, uma relação com a humanidade.

Ao permanecer agarrado na fruta, não conseguimos seguir.

E não resta mais nada para a fruta que está sendo agarrada além de murchar, secar, enfraquecer.

Alguns sintomas dos filhos que não saem do ninho são os que permanecem como “namoridos”. Não tomam a decisão de casar e fundar a sua família. Também tem aqueles que estudam, estudam, estudam, têm seus projetos engavetados e não conseguem tomar uma carreira no seu ninho. 

Então, permita que os seus filhos sigam as próprias vidas. Esse é o melhor pra eles.



E busque preencher esse vazio nos seus pais, pois apenas neles você conseguirá se preencher. Se é difícil, busque ajuda.

Fez sentido pra você?

Leia também o artigo: TEM UM FILHO ADOLESCENTE VIOLENTO E DESRESPEITOSO? SAIBA O QUE FAZER!

Forte e carinhoso abraço!

Sobre o autor:

Marcel Scalcko ajuda as pessoas a viverem mais leve e realizar muito. É mentor há 24 anos. Já treinou mais de 110.000 pessoas. Descreveu as 9 Leis da Vida. Há mais de 30 anos estuda com os melhores mentores e treinadores do Brasil, Alemanha e Estados Unidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

: