Dicas cruciais para conseguir o emprego que você sempre quis

Este artigo é para você que tem dificuldade em arrumar um emprego.

Foi desenvolvido a partir de uma mentoria com uma aluna nossa.

Para facilitar a compreensão, você verá em formato de diálogo.

Boa leitura!


Mentorada:

Estou desempregada atualmente, mas sigo a procura e estudando.

Marcel:

Em qual área você trabalha?

Mentorada:

Na área administrativa.

Marcel:

Muito bem! Então, vamos lá. Como posso ajudá-la?

Mentorada:

Sinto minha vida bloqueada. Eu sou uma pessoa de muitos sonhos, mas “travo”, não realizo, mesmo sonhando alto.

Marcel:

Sonhar já é um bom começo.

Dream Holiday

Porém, se você não realiza, já descumpre a primeira lei da vida: vida é movimento.

E por que você não se coloca em movimento?

Mentorada:

Não sei, tem algo que me “trava”, mas tenho consciência disso.

Marcel:

Pois é, desta forma você acaba descumprindo a terceira lei da vida, vida é verdade.

Você não se conhece.

Mentorada:

É. Pode ser.

Marcel:

Vida é verdade e você não sabe qual é a verdade.

“E como que eu saberia, Marcel?”

Através do autoconhecimento, pois ele é a verdadeira fortuna.

Imagina há quantos anos você trabalha. Diga-me quantos anos: dez anos, cinco anos?

Mentorada:

Dez anos.

Marcel:

E nesse tempo, em média, quanto você ganhou por mês? 

Mentorada:

Um salário mínimo.

Marcel:

Então, nesses dez anos você ganhou o total de R$ 120.000,00, mas compartilho que eu penso que foi mais.

Observando esse total, responda-me: Quanto você gastou em autoconhecimento desses R$ 120.000,00?

Mentorada:

Gastei em autoconhecimento só esse ano.

R$ 200,00

Marcel:

Ok. E quanto gastou em produtos de beleza?

Mentorada:

Nisso foi mais que R$200,00.

Marcel:

E quanto custou a televisão da sua casa?

Mentorada:

Mais que R$ 1.000,00.

Marcel:

“Nossa Marcel, mas você queria que ela ficasse sem TV?”

Não, eu não queria, porém, quando temos pouco recurso, temos que fazer escolhas. Logo, quando eu escolho a TV, acabo escolhendo por não me autodesenvolver. Isso se fôssemos escolher apenas entre essas duas opções. Agora, quando eu escolho fazer autoconhecimento para entender o que me “trava”, estou escolhendo por me libertar.

In thought

Vou contar um segredo: sabe por que compramos essas “porcarias”?

Por que compramos televisão, para depois ficarmos anestesiados na frente do Netflix, bem como compramos telefones celulares, sendo que a maioria das pessoas não investem R$1,00 em autodesenvolvimento, mas trocam de telefone de 2 em 2 anos, são muito chiques, e, finalmente, acabam sendo capturados pelo Instagram, Facebook, YouTube ou pelo WhatsApp, tornam-se verdadeiros zumbis? Sabe por quê?

Porque todas essas anestesias acabam nos fazendo descumprir outra lei da vida: vida é dor. Viver dói!

Pense comigo. Há quantos meses você está desempregada?

Mentorada:

Eu pedi para sair do meu emprego em novembro do ano passado.

Marcel:

Você queria ficar desempregada? 

Mentorada:

Foi uma opção porque eu tenho uma filha pequena.

Marcel:

Então, agora você não quer estar trabalhando?

Mentorada:

Eu quero.

Marcel:

Ok. Desde quando você quer?

Mentorada:

Desde sempre.

Marcel:

Logo, desde novembro.

Nesse tempo, quantos currículos você enviou?

Mentorada:

Vários. 

Marcel:

Não! Quantos?

Mentorada:

Sei lá. Toda vez que abriram vagas dentro da minha área, eu mandei. Quem sabe uns 100.

Marcel:

E por que você mandou só para onde tinha vaga?

Mentorada:

Eu até já mandei para onde não tinha.

Marcel:

E em quantas empresas você bateu na porta e disse: “Olha, vocês não estão anunciando, mas eu quero muito trabalhar. E gostaria muito de trabalhar aqui”?

Em quantas empresas você ofereceu o seu trabalho?

Mentorada:

Bom, eu mando e-mail para os gerentes na área que eu quero, a área bancária. Essa semana eu mandei 5 e-mails.

Marcel:

Ok, mas você ainda não me respondeu. Em quantas empresas você bateu na porta e ofereceu o seu trabalho?

Mentorada:

Nenhuma. Bater na porta, nunca fiz.

Marcel:

“Marcel, mas por que tem que bater na porta?”

Simples: porque e-mail todo mundo manda, logo, a única que bateria na porta seria você.

E mais, você querendo trabalhar em banco, te pergunto: quantas vezes voltou nos bancos para que, assim, as pessoas pudessem ver a sua determinação? E vendo isso pensarem: “Que moça determinada! Ela vem aqui toda semana sorrindo, é gentil e educada”. E junto a isso, quem sabe, pode aproveitar e ir com um livro debaixo do braço para fazer um charme, demostrando que ainda gosta de ler.

 Sabe por que você não faz nada disso? Porque dói receber dezenas e dezenas de nãos.

Entretanto, esquecemos que não há sim sem não, bem como, não há vitórias sem tropeços, não há conquistas sem percalços, não há músculos sem dor, não há sabedoria sem estudo e não há colheita sem semeadura.

Mentorada:

Tem toda razão.

Marcel: 

E assim, descumprimos mais uma lei da vida: vida é semeadura. 

E sabe por que vocês ficam em casa se perguntando: 

Por que eu procrastino?

Por que eu não consigo arrumar um namorado?

Por que os meus filhos não me respeitam?

Por que só eu não consigo emagrecer? 

Depois que fazemos estas perguntas, surgem muitas mentiras como: “Não emagreço porque tenho problema genético”. Existem pessoas que dizem que “tem tireoide”, já outras afirmam que não arrumam namorado porque homem não presta, mesmo tendo um monte de mulheres encantadas com os seus companheiros, mas estas mulheres não conseguem ver isso porque não as interessa, pois ao ver a verdade, a tese cai. E nesse caso, não são os homens que não prestam, enquanto que a verdade é que ela ainda não entendeu como fazer para cativar um bom homem.

E neste mecanismo, se olharmos para a verdade, perceberemos que o problema está em nós, no nosso não entendimento e, assim, teremos que nos responsabilizar, mas não queremos isso. Não queremos ser os responsáveis. Preferimos ser as vítimas.

E afirmam:

“Eu sou vítima da pandemia”.

“Santiago é uma cidade pequena, o povo é meio grosseiro. São difíceis as coisas aqui em Santiago”.

Marcel:

Eu vou ajudá-la a arrumar um emprego, basta fazer o que vou ensinar. Saiba que nenhuma pessoa que me escutou e fez esses movimentos, não conseguiu um emprego em até 1 mês.

Posso até combinar algo com você, logo, eu vou dizer o que você deve fazer e, daqui a um mês, se não arrumar um emprego, você pode me mandar um direct e então… Vou fazer diferente: vou ajudar, claro que não posso garantir, até porque eu não sou e não quero ser o seu pai, mas me comprometo a ajudá-la, a dar mais dicas ou até mesmo fazer algumas indicações. Porém, lembre-se, você terá que fazer exatamente o que eu vou dizer. Certo?

Mentorada:

Certo.

Marcel:

Que idade está a sua filha?

Mentorada:

3 anos.

Marcel:

E com quem ela fica?

Mentorada:

Fica comigo e o pai dela.

Marcel:

O seu marido trabalha em casa?

Mentorada:

Ele trabalha na estância da família, tem essa flexibilidade.

Marcel:

Ótimo! Precisaria que você tivesse 8 horas por dia, mas como você tem a sua filha, preciso que tenha 4 horas por dia, disponíveis. 

Você acha que consegue ajuda do marido? Será melhor das 8h ao meio-dia ou das 14h às 18h?

Mentorada:

Sim. É melhor das 8h ao meio-dia.

Marcel:

Tá bom! Também gosto dessa ideia.

Então, você vai acordar todos os dias às 7 da manhã, vai tomar um chimarrão gostoso, vai ver o sol nascer, mas atenção: irá fazer isso todos os dias! Acordará às 7h da manhã e seguindo, irá ler um capítulo do meu livro, ou seja, você vai viver. Às 8h vai sair para a rua. Entre às 8h ao meio-dia, você passará de empresa em empresa dando bom dia, se apresentando e dizendo que quer muito trabalhar. Após, escolherá 10 empresas para voltar uma vez por semana, bonita, cheirosa, delicadamente maquiada, com um salto, em uma roupa elegante e feliz.

E sabe por que feliz? Porque, primeiramente, você está viva e em segundo lugar, porque você não tem nenhuma dúvida que irá arrumar esse emprego. Portanto, você irá feliz, pois está decidida a arrumar um emprego.

Recapitulando: Você vai acordar às 7 horas, vai curtir a primeira hora da manhã pois está viva e saudável, sairá de casa às 8h, caminhando ou de ônibus e vai passar de empresa em empresa. Após, escolherá 10 empresas as quais você quer verdadeiramente trabalhar. Mas atenção: pedirá emprego em qualquer uma, claro que naquelas que sejam dignas e que façam sentido para você, mas em todas as possíveis. Porém, nas 10 selecionadas, você irá voltar toda a semana e dirá o seguinte: 

“Voltei aqui porque eu quero muito trabalhar nesta empresa. Não quero ser chata e inconveniente, mas eu também aprendi que se eu não fizer a minha parte, ninguém vai fazer. O senhor se chateia de eu voltar aqui toda semana para perguntar se não surgiu nada ou até para conhecer um pouco mais da empresa?”

Tenha certeza de que ninguém vai te impedir de voltar.

Então, concluindo, você irá sair de casa todos os dias, maquiada, feliz e com dois pensamentos em mente:

“É impossível eu não arrumar um emprego”.

“Eu confio plenamente em meus talentos”.

Diga isso diariamente. E sentindo isso irá conversar com pessoas. 

E se você arrumar um emprego que não gosta, você vai e começa. Dê o seu melhor e siga procurando outro, pois tem esse direito. Ninguém é obrigado a ficar onde não quer. Contudo, estará se sentindo valorizada, confiante, logo, será mais fácil.

Percebe como você está se sentindo agora?

Mentorada:

Sinto-me leve. Eu até já vinha pensando nisso, mas tem algo dentro de mim que me faz começar algo e me bloqueia.

Marcel:

Tinha.

Cuidado com as suas palavras! Você repete isso e acredita.

Vou dar a última dica.

Qual a dor você prefere: a dor de ficar parada na vida ou a dor de se colocar em movimento?

Mentorada:

Não, já estou sentindo a dor de estar parada.

Marcel:

Sempre que surgirem essas vozes em sua mente, você precisa assumir o controle.

Pense: Quem manda aqui? A minha mente manda em mim ou eu mando na minha mente? 

Porque quem faz você parar é a sua mente, pois acredita que você procrastina, que você não termina nada que começa, etc. O que é uma grande mentira.

Até que série você estudou?

Mentorada:

Sou pós-graduada.

Marcel:

E não termina as coisas? É pós-graduada? Fiquei com raiva de você agora.

Percebe que você acredita na sua mente que mente?

Que história é essa de “eu começo, mas paro”?

Eu queria saber como é que você conseguiu terminar o ensino fundamental, ou como que você conseguiu terminar o ensino médio? Queria saber como é que terminou a faculdade? E como que você conseguiu trabalhar e fazer uma pós graduação? Como é que terminou tudo isto se você começa as coisas e para?

O que eu estou tentando dizer, e isso é importante para todas as pessoas, é não acreditar no lixo que a sua mente produz. Aquele que faz você se sentir fraca, incapaz, devedora e culpada. 

Você não faz tudo que gostaria de fazer, mas também não é verdade que você abandona tudo.

Você não tem toda a força que gostaria de ter, mas também não é fraca como a sua mente a faz acreditar.

E sabe o que acaba acontecendo? Ao repetir essas bobagens diariamente, vocês acabam acreditam nelas e confirmam na realidade porque isso programa a mente de vocês. Está claro?

Siga buscando, mas sorrindo, feliz, decidida e olhando nos olhos das pessoas, do gerente e volte quantas vezes forem necessárias. Diga: “Eu voltarei aqui até o senhor me contratar! Claro que, se o senhor não se sentir ofendido. Saiba que é essa determinação e disciplina que o senhor vai ter aqui na empresa. Anote em sua agenda, toda terça-feira eu visitarei este banco. Sou assim, determinada”.

E você faz o combinado. Todos ficarão encantados com você. Só não conseguirá o emprego se não tiver vaga mesmo.

Você é pós graduada, determinada e, a partir de agora, não acreditará mais na sua mente que mente.

Diga-me querida, por que valeu a pena a sua mentoria?

Mentorada:

Estou com o coração mais leve! Às vezes, temos consciência do que temos que fazer, mas precisamos de um empurrãozinho.

Marcel:

Acreditamos nas mentiras da mente e isso nos tira força. Pelo menos agora limpamos um pouco.

Para você, leitor, refletir:

Não acredite na mente que mente.

Tem dificuldades?


Então, venha comigo para o Leis da Vida!

Basta clicar neste banner abaixo para saber mais:

Lembre-se: ao dominar as leis da vida, você terá em suas mãos a “chave” para abrir sua alma e, assim, colocar em movimento qualquer área da sua vida que esteja estagnada.

Reflita comigo: milhões de pessoas estarão fazendo a mesma coisa que fazem todos os domingos, enquanto você estará acessando o seu máximo potencial.

Escolha ficar na frente do Netflix ou no Instagram. Ficar dormindo ou comendo ou bebendo, ou seja, perdendo vida. Ou escolha viver plenamente, cuidar de si e desbloquear a sua vida.

A vida é sua! A dor de estar com a vida parada é sua.

Se você não sentiu dor suficiente ainda de desperdiçar-se e colocar o seu talento fora, além de dar mal exemplo para os seus filhos, eu respeito! Mas aviso que a vida vai causar mais dor ainda até que você se coloque em movimento.

 

Quer aprender com as 9 leis da vida e com a minha ajuda, com a minha experiência de 24 anos? Ou quer aprender com a dor da vida? 

Eu posso garantir, sou bem mais bonzinho que a vida! E por mais severos que sejamos a Magda e eu, somos bem mais bonzinhos do que a vida. 

Saiba que quando não nos mexemos, a vida faz os nossos filhos paralisarem para ver se assim, façamos algo.

Está apelando hoje, Marcel?

Sabe que estou feliz por isso! Estou inspirado hoje! Deveria dizer isso todos os dias porque essa é a verdade.

Leia também: PROBLEMAS QUE QUASE TODO MUNDO TEM COM OS FILHOS E COMO RESOLVÊ-LOS

Só estou dizendo a verdade.

Aproveite essa reflexão e faça algo por sua vida. Permita-se!



Forte e carinhoso abraço!

Sobre o autor:

Marcel Scalcko ajuda as pessoas a viverem mais leve e realizar muito. É mentor há 24 anos. Já treinou mais de 110.000 pessoas. Descreveu as 9 Leis da Vida. Há mais de 30 anos estuda com os melhores mentores e treinadores do Brasil, Alemanha e Estados Unidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

: