Contratando: Uma visão sobre Gestor por competência

Como encontrar as pessoas certas para trabalhar na nossa empresa?

Como saber se vão entregar o que se espera?

A resposta é que não sabemos, mas ao longo deste artigo vamos descobrir como traçar um caminho mais solido nesta busca.

Encontrar as pessoas certas para o lugar certo nem sempre é tarefa fácil, mas o primeiro passo para isso é saber exatamente o cargo e todas as funções ou atividades que espera-se que o colaborador faça, ter essa lista detalhada ajuda muito a dar um norte para a empresa e evitar imprevistos no futuro.

Após conhecer muito bem o cargo, inicia-se o processo de recrutamento e seleção, pois é muito mais fácil achar o perfil certo após saber exatamente o que queremos.

Gosto muito da visão sobre Gestão por Competência de David McClelland, pois nos ajuda a ter ideia geral de quem buscar no mercado. Em seus estudos ele nos apresentou a Teoria do C.H.A., eu sei você já deve ter ouvido falar, mas vale relembrar.

O C.H.A. nada mais é do que Conhecimento, Habilidades e Atitude, ou seja, precisamos saber “o que fazer”, saber “como fazer” e “saber fazer acontecer”, respectivamente.

E olhando sob esse viés será que a pessoa que estamos contratando se encaixa nos padrões esperados pela empresa?

Conhecimento: vamos mergulhar um pouco mais a fundo no conhecimento, este por sua vez é algo empírico, conhecido como “conhecimento tácito” que está na mente dos profissionais, ou seja, que não necessariamente se transforma em algo prático na empresa.

Então, o desafio das empresas é encorajar seus colaboradores a cada vez mais transformarem seus conhecimentos tácitos em conhecimento explícitos, os quais possam vir a contribuir com a organização, seja através de ideias, planos e possibilitando o crescimento da empresa.

A dica aqui é investigar muito bem em quais empresas a pessoa atuou, quais cursos técnicos e/ou comportamentais possui e havendo tempo quem sabe aquele telefone para antiga empresa para saber um pouco mais da pessoa selecionada.

Habilidade: aqui entra o saber como fazer, como a capacidade de utilizar o conhecimento para executar tarefas, propor novas soluções e resolver problemas.

O desafio aqui é explorar ao máximo nas seletivas para verificar se realmente o possível colaborador sabe como fazer e apresenta talentos ou habilidades que se espera.

Atitude: chegamos na parte mais importante sob meu ponto de vista, afinal sem prática ou ação nada acontece, então esse é o momento de fazer acontecer.

Numa seletiva é natural que algumas pessoas se contraiam outras se soltem mais, mas aqui cabe observar qual o cargo pretendido, pois se for muito tímida talvez não consiga vender e se for muito extrovertida talvez não tem a concentração para área contábil, como exemplo. A pergunta principal aqui é, para o cargo específico quais atividades esse profissional precisa saber fazer acontecer?

Observando essas três bases certamente conseguimos identificar se estamos no caminho certa para uma boa contratação ou não, lembrando que nesse processo é muito importante uma comunicação direta alinhando a Empresa (cultura e valores), expectativas (da empresa e do funcionário) e funcionário, seus conhecimentos, habilidade e valores, tendo isso as atitudes aparecerão e os resultados certamente irão contribuir para o crescimento da empresa.

Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário aqui.

Forte abraço!

Leia também o artigo da Consultora Érika Benittes: COMO GARIMPAR E RETER TALENTOS?


Vinícius Nunes.
Consultor Associado do Grupo Scalco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *