Aceitação e merecimento: Por que o que eu planejo/imagino para mim, não se realiza?


“Será que eu mereço a vida que tenho?”

“Por que o que eu planejo/imagino para mim, não tem se realizado?”

Deparamo-nos com dúvidas como essas em algum momento de nossa vida.

 No meu caso, por exemplo, tenho me dedicado a muitas coisas.

No entanto, não estou realizando tudo que desejo.

Meus planos demandam o desenvolvimento de muito mais ações, mas aceito o fato de não ser possível agora.

Caso contrário, estaria em discordância comigo mesmo.

Já estive tomado de uma sensação de incompetência, fracasso, incapacidade.

Até que um dia aceitei que naquele momento da minha vida eu não dava conta de tudo.

Então tranquei alguns projetos e passei a cuidar só do que realmente eu podia dar conta.

Eu aceitei a minha limitação. 

Tomei consciência de uma garra, uma determinação, um entusiasmo que há anos tinha perdido de mim.

Tudo isso estava lá, escondido, porque não aceitava a limitação.

Esse é um ato de amor consigo mesmo. 

Ao contrário disso, um sentimento que vai brotar ao discordamos de algo é a raiva. 

Com raiva, todo nosso sistema psico-emocional-espiritual e físico começa a gerar sensações, hormônios e enzimas que nos prejudicam. 

Passam a fazer parte das nossas ações: punir-se, prejudicar-se, boicotar-se, machucar-se, etc. 

Nessa situação um questionamento é muito comum: Eu mereço o que eu estou vivendo?

A resposta é SIM.

O preço altíssimo que pagamos ao não nos aceitarmos é cultivar crenças de não merecimento. 

Olhe profundamente para a tua alma e diga: 

“Eu te vejo, meu querido, dando o teu melhor. Fazendo esforços, muitas vezes sobre-humanos. Está tudo bem. Por enquanto está bom. Dá um tempo. Não sejas o maior carrasco de ti mesmo. Olha para tudo que fizeste, o que conseguiste, o que estudaste e te alegra com tudo isso. Cuida de ti no mundo externo, mas não te machuques no mundo interno”. 

O tanto de coisas que realizamos no mundo externo não mede a pessoa que somos no mundo interno. 

É necessário distinguir mundo interno de mundo externo. 

Sem nos boicotar, encontramos forças para fazer mais coisas no mundo externo.

Mas precisamos pedir ajuda: para o pai, mãe, mentor, tio, professor, colega, fazendo um treinamento, lendo um livro.

Quando não nos aceitamos, não alcançamos a sensação de merecimento. 

Para finalizar, apresento a seguinte frase, que muitos conhecem: 

“Eu ainda não consigo, mas conseguirei, quando for possível, se possível for”.

“Ainda” traz a ideia de que um dia vou conseguir. “Mas conseguirei” aponta para uma decisão. “Quando for possível” serve para não colocar pressão demais em si mesmo. “Se possível for” significa entender que na vida nem tudo vamos conseguir realizar. 

Essa frase é libertadora! Repete-a quantas vezes for necessário. 

Sobre o autor:

Marcel Scalcko atua com desenvolvimento de pessoas há mais de 22 anos. Guiou mais de 50.000 pessoas para uma vida mais leve e realizadora.

Após construir uma vasta experiência no campo do desenvolvimento humano, observou e documentou as 9 Leis da Vida e transformou esse conhecimento em um treinamento imersivo e único no Brasil.

É especialista em técnicas e procedimentos de desenvolvimento psico-emocional, como as constelações familiares e empresariais, que procuram guiar pessoas e organizações ao seu máximo potencial.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é telegram_horizontal-2.png
  1. Fantástico esse artigo! Durante um bom tempo da minha vida não via as coisas que eu já tinha realizado, e também tão pouco aceitava o que estava acontecendo comigo e com minha empresa. Até que conheci esse caminho, que tem inicio, tem meio e não tem fim! Sou grato a toda essa equipe maravilhosa que nos brinda com esses ensinamentos, que hoje nos auxiliam a ter uma vida mais leve, e também, principalmente de aceitação, de tudo, como é! Grande abraço! Gratidão.

  2. Fabiani Alfonso disse:

    Incrível o artigo. Grande ensinamento para a nossa vida. Por muito tempo cobrei demais de mim mesma. Estou aprendendo como a vida pode ser muito mais leve …
    Vocês são extraordinários.
    Obrigada Marcel e Grupo Scalco.

  3. Alessandra Schvan disse:

    Obrigada sempre. Aceitar q ainda não consigo e pedir ajuda me fez me dar conta de como assumo um monte de tarefas desnecessárias q me tiraram da rota e do meu objetivo. Aprendendo a não ser a mulher maravilha e dizendo muitos nãos tem sido dificílimo além de muito libertador!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *