3 formas de se comportar nos relacionamentos interpessoais

Existem três tipos de comportamentos que nos rodeiam e fazem com que agimos de determinada forma com as pessoas que nos rodeiam.

Esses comportamentos são os responsáveis de como vamos aproveitar melhor, ou não, as pessoas que estão perto de nós, sejam elas colaboradores, colegas, familiares, esposa ou marido ou até mesmo nossos filhos.

Os três comportamentos são: não assertivo, assertivo e agressivo. E neste texto vamos ver as características de cada um e assim você poderá identificar qual deles preenche mais você durante o dia.

Vamos começar pelo comportamento NÃO ASSERTIVO:

No comportamento não assertivo sonegamos das pessoas aquilo que gostaríamos de comentar. Ou seja, por medo de magoar, por medo do conflito, por medo do que a outra pessoa vai achar de nós, nós simplesmente nos calamos, vamos engolindo o que realmente gostaríamos de falar.

O problema é que esse comportamento não assertivo é o mais pernicioso para os relacionamentos.

Nos treinamentos do Grupo Scalco, vimos muitos casais dizerem que não brigam nunca. Logo pensamos: “esse casamento já acabou!”.

Pois o casal que não briga nunca, que não diverge nunca, que não discute nunca, está sendo indubitavelmente não assertivo. Estão se colocando em sacrifício pessoal para tentar de alguma forma proteger seu casamento.

Mas no final das contas esse casamento está se gelando, pois cada um está deixando de ser quem realmente é ao não expressar o seus incômodos e seus desconfortos para a outra pessoa.

O lema do comportamento não assertividade é segurar para não ter conflito.

Mas nós podemos afirmar que quem não diz o que pensa e sente, é sinal que não sabe lidar com gente.

Comportamento AGRESSIVO:

No extremo oposto do comportamento não assertivo está o comportamento agressivo, onde a pessoa expressa o que pensa, o que sente, o que deseja, mas de maneira agressiva, de maneira grosseira, até mesmo rude ou com palavrões.

Quem tem um comportamento agressivo não se importa de verdade com a saúde do relacionamento, seja qual for.

Nesse momento a pessoa visa vencer, mesmo que para isso seja necessário pisar no outro.

Muito embora ninguém queira ter um comportamento agressivo, nós muitas vezes não temos controle sobre nossas emoções e decisões, então acabamos agredindo muitas vezes quem mais amamos.

Saiba que a extrema maioria das pessoas oscila, faz um pêndulo, onde viaja entre os dois extremos.

Horas aguenta, aguenta, aguenta, ou seja, é não assertivo, não assertivo, não assertivo e quando vê explode e acaba sendo agressivo.

Como se não bastasse, acaba se arrependendo e mais uma vez volta para o outro extremo e aguenta, aguenta, aguenta e mais uma vez acaba explodindo e volta a ser agressivo.

Já no meio do caminho existe o comportamento assertivo:

Do qual eu digo o que penso, o que sinto, de maneira centrada, ponderada, levando em consideração os meus interesses e os interesses das outras pessoas.

Eu sim consigo dizer o que penso e sinto, mas eu não tenho a ideia de que eu estou certo, nem quero vencer uma disputa, eu apenas expresso com clareza o que eu estou pensando, o que eu estou sentindo.

Pessoas com comportamento assertivo se tornam extremamente confiáveis, são boas de relacionamento de trabalho em equipe, são pessoas que conseguem exercer com primazia a liderança, tem um casamento saudável, porque muito embora tenham um comportamento de autoafirmação, respeitam o que o outro está pensando.

Infelizmente a maioria de nós está neste momento em um dos extremos, mesmo que seja na maioria do tempo.

Então eu gostaria de te perguntar, em que extremo você fica na maior parte do tempo?

Claro que você deve estar pensando que é difícil, senão quase impossível ter sempre um comportamento assertivo.

Sim, é difícil, mas não impossível!

Por isso que precisamos estar em constante autoconhecimento e autodesenvolvimento para poder ter cada vez mais um comportamento assertivo de uma forma automática e plena.

E isso só é possível com treinamento, terapia, coaching, meditação e demais técnicas.

DICA:

Mesmo que você não consiga ter o tempo todo um COMPORTAMENTO ASSERTIVO, tente não ter o tempo todo um COMPORTAMENTO NÃO ASSERTIVO, pois isso além de matar as suas relações, vai acabar matando você aos pouquinhos, assim como um câncer.

Mesmo o comportamento agressivo não sendo o ideal, é melhor colocar para fora o que você tem a dizer, do que ficar guardando, guardando e guardando até explodir.

Gostou?

Leia também o artigo: CONCEITO GERAL SOBRE AS CONSTELAÇÕES FAMILIARES E AS LEIS DO AMOR

Revisão: Juliane Camara.

Sobre o autor:

Marcel Scalcko atua com desenvolvimento de pessoas há mais de 22 anos. Guiou mais de 50.000 pessoas para uma vida mais leve e realizadora.

Após construir uma vasta experiência no campo do desenvolvimento humano, observou e documentou as 9 Leis da Vida e transformou esse conhecimento em um treinamento imersivo e único no Brasil.

É especialista em técnicas e procedimentos de desenvolvimento psico-emocional, como as constelações familiares e empresariais, que procuram guiar pessoas e organizações ao seu máximo potencial.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é telegram_horizontal-2.png
  1. bia disse:

    realmente devemos nos auto conhecer !! para sabermos qual nossos próprios limites

  2. José Nairton Peixoto de Azevedo disse:

    Realmente tem tudo a ver no meu caso sou muitas vezes não ecertivo , e acabo sendo agressivo , o que realmente acaba me atrapalhando tanto na vida pessoal como na vida profissional , mais com muita força de vontade estou disposto a aprender e melhorar ambos em minha vida grande abraço José Nairton p de Azevedo .

  3. Lilian Alves Pereira disse:

    Adorei a matéria simplesmente fantástico, dá uma radiografia do que realmente e comum e banal, as.pessoas se degladiam ou trocam de relação o tempo todo por.nao se.conhecer. show!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

: